Como nos quadros de Pollock

She's the one

Somos seres limitados.

Nossa percepção nos obrigada a acreditar que o tempo é linear, claramente dividido em passado, presente e futuro. Nessa dinâmica, há uma sucessão natural de eventos; o trigo brota, cresce e seca.

Pular fora do determinismo dessa moldura é cair numa caixa de incertezas.

Imagine que transgredir, aqui, significa ignorar as sombras dançantes nas paredes da caverna e caminhar em direção à saída. Mas o que acontece quando você efetivamente chega nela? O que acontece quando você alcança o limite e o transpõe?

Seria lógico supor que seus olhos e seu cérebro, por não estarem habituados a tal nível de claridade, precisarão passar por um período de recalibragem.

A princípio, você não enxerga nada. A luz te deixa cego. Porém, depois de uma necessária adaptação, você começa a distinguir cores e formatos.

E você se acostuma com isso, com essa nova realidade que se descortina perante seus incrédulos olhos. Você se reinventa. Há um upgrade em sua configuração básica.

Você habita agora uma zona marginal, e o ponto onde você começou nada mais é do que uma referência, uma diminuta porta que já foi atravessada.

Esqueça a dinâmica linear e visualize a grandeza tempo como um campo de fluxo energético no qual estamos imersos e cuja existência e continuidade é impulsionada por movimento, por transformação.

Entenda que sua presença, sua história, suas ações são o combustível que mantêm essa engrenagem funcionando.

Não se pergunte o que veio antes e o que virá depois. Apensa siga em frente como Alice seguiu o coelho branco pela toca. Caia e descubra algum país das maravilhas.

Share the joy
  •  
  •  

2 comentários em “Como nos quadros de Pollock

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *